Bolão Brasileiro 2007 – Palpites 38ª Rodada – Final

Chega ao fim o Bolão do Campeonato Brasileiro 2007. Provavelmente me lascarei, mas, já aceitando a derrota, farei os palpites dessa derradeira rodada de consciência limpa e humor ácido.

A todos que agüentaram isso, ano que vem tem mais. Hehehe

Corinthians 2008, rumo à série C! Urrú!

Cruzeiro 4 x 0 América-RN. Mesmo assim, não leva nada. A vaga é do Palmeiras.

Palmeiras 1 x 0 Atlético-MG. Desconfio que o verdinho é capaz de aprontar nessa, mas vou confiar.

Botafogo 1 x 2 Figueirense. Vale nada. Mas o Figueira se classifica para a Sulamericana e dá um pouco mais de valor à competição.

Náutico-PE 2 x 1 Flamengo. Jogão. Mesmo com o urubu lotando o estádio, o Timbu se despede com dignidade.

Santos 1 x 1 Fluminense. Com a derrota do Flamengo, o Santos ainda leva o vice.

Atlético-PR 1 x 2 São Paulo. Mesmo sem metade dos titulares, a molecada do Tricolor representa e atropela o ventinho ex-furacão.

Juventude 1 x 2 Sport. Vitória do Leão da Ilha, outro que merece a competição B da América do Sul.

Goiás 1 x 1 Internacional. Sim!

Vasco 0 x 2 Paraná Clube. Sim! Sim!

Grêmio 5 x 1 Corinthians. A realização de um sonho se concretiza. Nem São Jorge salva. Não tem Fiel, Camisa 12 ou outra coisa. Festa no Estado de São Paulo. Destruição na Paulista e no metrô da linha vermelha! Vai ser! Sim! Sim! Sim!

CORINTHIANS NA SÉRIE B EM 2008 PORRA!!!!!!

Devaneios (2)

Se o texto anterior já era um sonho/devaneio/utopia, etc, esse então é o quê?

Do mesmo Blog do Juca.

Ps: Hoje só tem futebol, (in) felizmente.

Corinthians, Bicampeão Mundial de Clubes 2011

Por ROBERTO VIEIRA

Este título nós dedicamos ao Professor Nelsinho.

Dedicamos ao time de 2007 que caiu para a segunda divisão do Brasileirão.

Sem eles, nada disso seria possível.

Vencer o Boca em La Bombonera. Vencer o Milan em Yokohama.

Impossível.

Quando Allan Kardec marcou aquele gol espírita no Pacaembu. Uma bola que tocou no zagueiro e enganou Felipe.

Quando o Grêmio nos goleou no Olímpico, eu confesso, quase desisti.

Quando o Goiás venceu o Internacional com um gol contra aos 47’ do segundo tempo, chorei.

Guardei minha camisa no guarda-roupa. Agüentei calado as gozações dos palmeirenses nos sinais de trânsito.

Quis aprender a jogar peteca.

Durante um bom tempo não queria nem ouvir falar em futebol.

Durante uns 30 dias. Até começar o paulistão.

Então veio aquele comichão. Aquela febre. E tudo recomeçou.

Foi cada jogo de perder a cabeça. Pensei que a gente ia cair para a Série A-2.

Mas não caímos.

E de repente, começamos a ganhar. Porque na verdade o futebol brasileiro não tem nenhum supertime. Nem mesmo o São Paulo. São Paulo que começou a perder e mandou Muricy Ramalho embora.

Sorte nossa que o Muricy veio pra cá.

A rapaziada era boa. A sorte voltou a nos ajudar.

Não vale a pena lembrar tudo que passamos. A história já registrou tudo em DVD.

‘As Batalhas do Parque São Jorge’.

Parque São Jorge que foi implodido ontem para dar lugar ao estádio da Copa de 2014.

Ficar no meu clube de coração foi a melhor escolha possível. Graças a Deus prolonguei meu contrato em 2007, mesmo com todo mundo me chamando de louco.

Mas não é hoje, com a Copa Toyota nas mãos, não é hoje que devemos esquecer o passado.

Obrigado Professor Nelsinho.

Nelsinho que esteve conosco em tantos momentos difíceis.

Este título também é seu.

Lulinha

Devaneios (1)

Estou com várias idéias de textos, séries e tudo mais, mas sem PC não dá.

Por enquanto, fiquem com esse sonho que vi no Blog do Juca.

São Paulo, campeão da série C de 2010

Por RODRIGO GUIDI*

Este título nós dedicamos ao professor Oswaldo de Oliveira (melhor técnico que passou pelo Morumbi).

Dedicamos ao time de 2008 que após o pentacampeonato brasileiro em 2007 não passou da primeira fase da Libertadores no ano seguinte e caiu para a série B.

Sem eles, nada disso seria possível.

Vencer o ABC de Natal e o Barras do Piauí na final.

Impossível.

Quando o Hernanes fez o primeiro gol contra o América-RN na “final” de 2007 confesso que acreditei que ninguém pararia o São Paulo e que seríamos tetra da América e do Mundo em 2008.

Comprei mais duas camisas do time. Uma listrada (meu sonho de consumo) e uma do Rogério “Air” Ceni, o maior ídolo do clube.

Gozei muito da cara dos corintianos que caíram para a Série B em 2007 (mesmo com a mediocridade goiana e paranista). Foi muito melhor do que comemorar o penta.

Não acreditava que o futebol brasileiro estava entrando em férias e só veria a máquina tricolor no Paulistão daquele ano.

2008 começou como terminou 2007 e vencemos mais um Estadual com uma goleada acachapante de 7×0 no Corinthians, que ainda juntava os cacos do rebaixamento em 2007.

E de repente, começamos a perder. Porque na verdade o futebol brasileiro não tem nenhum supertime. Nem mesmo o São Paulo é imbatível.

Para nossa tristeza a má campanha na Libertadores custou a cabeça de Muricy que foi para o Timão. Sem o dinheiro da competição, Juvenal Juvêncio teve que vender as estrelas do time para a Europa e para outros clubes do Brasil.

A arquibancada do Morumbi ruiu, mas diferentemente do que ocorrera na Fonte Nova, ninguém se feriu, pois o Tricolor já não levava torcida ao seu estádio.

Sem dinheiro para reformar a arena que sediaria a Copa de 2014, começou a deterioração do local, que precisou ser vendido à iniciativa privada.

Para tristeza da nação tricolor. A empresa que comprou o Morumbi demoliu o estádio (e a história tricolor) e construiu no local um condomínio de alto luxo.

Começamos a mandar nossos jogos na rua Javari e em estádios do interior e após cair para a série B, fizemos péssima campanha, sendo rebaixados em 2009 para a série C junto com Gama, Santo André e Juventude.

Uma parceria desastrosa visando o retorno à elite acabou com o que havia sobrado do elenco que contava em 2009 com Rogério Ceni (o eterno), Richarlysson, além de Vizoli, Zé Teodoro e Pintado (que voltaram a jogar para ajudar o ex-clube).

Com um time de garotos conseguimos voltar à série B, depois de duas batalhas em Natal e Teresina, onde só ganhamos com a ajuda da arbitragem e a complacência da CBF que entendeu que um pentacampeão brasileiro não poderia ficar no limbo.

Mas não é hoje, com a série C nas mãos, não é hoje que devemos esquecer o passado.

Obrigado Professor Oswaldo, que esteve conosco em tantos momentos difíceis.

Este título também é seu.

Rogério Ceni

*Rodrigo Guidi é jornalista, sãopaulino e repórter do Jornal de Piracicaba, interior de São Paulo.

Bolão Brasileiro 2007 – Resultados 37ª Rodada

O timinho está por uma cova. Ainda acho que não cai. Não por causa de algum milagre no Sul, mas por causa da incompetência dos outros dois concorrentes. O certo era criar uma 5ª vaga no rebaixamento e o Corinthians ir para lá. Mas…

Deixa para o fim de semana. Que o Frank se manifeste para saber como ficou a situação do Bolão. Provavelmente me ferrei. Mas quem se importa? rs

América-RN 0 x 2 Grêmio. 0X3. Está na mão do Grêmio o destino do timinho, além de valer a América.

Fluminense 2 x 0 Juventude. 3X2. E o Flu esnobando. Tchau Juventude.

São Paulo 2 x 0 Botafogo. 2X2. Quase vem carimbada. Mas é tudo festa.

Internacional 1 x 1 Palmeiras. 2X1. Complicou. Mas como o cruzeiro deu uma forcinha…

Flamengo 1 x 0 Atlético-PR. 2X0. Fla na Libertadores.

Sport 2 x 1 Cruzeiro. 1X0. E o Sport fud*% com o time da Toca.

Paraná Clube 2 x 0 Santos. 2X3. Santos se garante na Libertadorse. E que o Paraná morra na série B depois dessa.

Atlético-MG 1 x 2 Goiás. 4X1. Acho que o timinho vai escapar por incompetência do GO. Ô louco!

Figueirense 2 x 2 Náutico-PE. 2X0. E não valeu nada mesmo.

Corinthians 0 x 2 Vasco. 0X1. Romário não jogou, mas precisou?

Semana que vem post especial de despedida. O bolão não vale praticamente nada (cerveja, cerveja, cerveja) mas foi legal esse tempo de palpitômetro.

Teve quem gostou e quem não gostou. Mas o que interessa é a diversão.

Blog semi-abandonado

Óbvio que, com a mudança, as postagens iriam rarear.

Na ZL eu tinha computador com banda larga (apesar de lento) e um tempinho para se dedicar ao blog.

Agora, no novo lar, nem TV tenho ainda, imagine PC.

Claro que se a placa de vídeo que dependo para o meu computador voltar a ter vida chegar logo, as coisas podem melhorar. Uma placa mãe, para o outro Personal Computer que está parado, também ajudaria.

“Por que você não desmonta os dois e faz um?”

Claro que já pensei nisso, mas as configurações são diferentes, pois um é mais moderno que o outro. Sem contar que, caso arrume um dos dois, ainda terei a falta de internet, pois não há verba disponibilizada para o departamento de tecnologia pelo menos para os próximos dois meses.

Por enquanto vou postando do trabalho, o que significa que a freqüência de atualizações será bem irregular e não mais diária.

Daqui a pouco, tento voltar com coisa mais agradável.

Proseando mais um pouco

Confirmado!

A partir de segunda (vai ser, vai ser, vai ser…) meu novo endereço é no Largo Santa Cecília.

Vou viver em frente a uma igreja, com um ponto de ônibus e uma estação de metrô na porta de casa. Perto de bancos, algumas baladas, vida boêmia, entre outras coisas.

Não que eu não gostasse da Zona Leste. Gente ignorante tem em todo lugar. Mas pegar um ônibus, ficar uma hora nele, depois um metrô, ficar mais de uma hora andando devagar e parando sem ser em estações e, depois, outro metrô e ficar mais quinze minutos num vagão completamente abafado, além de todos completamente lotados. Não, ninguém merece.

Foi um parto conseguir ajustar as coisas para que tudo desse certo: chá de cadeira do dono da imobiliária que não havia assinado a papelada, fila no cartório para abrir e reconhecer firma, imprevisto porque o amigo não pagou a conta de luz em seu nome, sendo que você deu dinheiro, e ter que correr atrás de uma lan, imprimir segunda via e pagar num banco para levar para o zelador do prédio mostrar para a Eletroupaulo que está tudo certinho. Enfim, várias coisas.

Suamos, mas valeu a pena.

Agora estamos com um canto só nosso e com perspectivas muito boas para o futuro.

Valeu pelo apoio e aguardo a visita de quem puder vier para Sampa.

Desculpas não há mais.

Bom fim de semana, pois tenho que correr para ver tudo da mudança.