Amigos, amigos, confissões à parte

E aí que são altas horas da madrugada, não tem cerveja para beber, dei um pau no sobrinho no Wii e, por enquanto, ao contrário dele, não estou com sono. Deu vontade de blogar um pouco. Como escrevi antes, isso vem sido algo raro, então é bom aproveitar quando dá vontade. E, como há algo que vem corroendo por dentro, então é melhor colocar para fora.

Essa semana me chateei muito com um fato que não vem ao caso e que já está, digamos, se superando. Por conta do que houve, cheguei até a fazer algo que nunca imaginei que faria, o qual sou totalmente contra, que é proteger os tweets contra terceiros, o popular ‘trancar o twitter’. De tabela, bloqueei uma pessoa querida, a qual nunca imaginei no universo que bloquearia. Ou seja, para meus padrões de tolerância, foi bem grave.

Enfim, como já disse, estou superando, mas há um porém que, infelizmente, acontecerá e que é bem chato de minha parte. Perderei um pouco da minha espontaneidade com a pessoa, já que não falarei tudo que falava com ela, bem como me policiar quanto aos assuntos que tocar. Nada que seja grave, já que acho que ela era última pessoa com a qual tinha 100% de assuntos a falar. Nem com os melhores amigos e parentes do peito tenho tal espontaneidade, já que um ou outro sempre deu alguma mancada do tipo.

Exemplo. É normal comentarmos de amores que dão errado com algum(ns) amigo(s), mas naquela de rir um do outro e com uma tirada de sarro aqui ou acolá. Mas a partir do momento com ele começa a te sacanear contando para tudo quanto é lado, inclusive para estranhos e até para alguma potencial pretendente, então é melhor dar um toque nele, se insiste na tiração, para de contar o que rola na sua vida amorosa. Como sempre fui sarrista, acabei por sempre ter que parar de contar minhas desventuras amorosas, já que o pessoal achava que era algo que era bom de contar, por exemplo, no microfone antes de um seminário de faculdade ou naquele videokê cheio de gente.

Outro exemplo é quando alguém conta algo sobre a vida alheia (a popular fofoca, comum entre mulheres) e, após o pedido de sigilo, descobrir que a empresa inteira, mais a pessoa alvo da maldade, sabe no dia seguinte. Esse não passei, mas ao notar que alguns amigos gostavam de contar sobre a vida alheia, restringi as informações sobre a minha.

Deve ser comum isso, mas é chato você não poder tocar em tais assuntos porque você pode se prejudicar ou se estressar no futuro porque tal pessoa não sabe lidar direito com aquilo que foi confessada à ela. Pesquisando na memória acho que só um primo que posso falar tudo de qualquer assunto, mas ainda assim, acredito que apenas 98% de tudo.

Enfim, abri meu twitter novamente e, assim que a raiva – que ainda não passou – da pessoa passar, a desbloqueio também.

Infelizmente, provavelmente nosso relacionamento não será mais como antes.

É uma pena. Pelo jeito, se eu quiser desabafar, contar minhas trapalhadas, foras, flertes, projetos e o que for mais, terei que ter um amigo para cada assunto, já que dependendo do que for, poderei ter sérios problemas. O que é chato para cacete.

Melancolia

Em tempos remotos, ficava me perguntando o que escrever aqui e, muitas vezes, saía qualquer besteira. Isso quando não conseguia escrever várias linhas sobre absolutamente nada.

Mas ultimamente, ando sem vontade de escrever, ando sem vontade de desenvolver uma ideia, de correr atrás de assunto, inventar pautas, enfim, fazer aquilo que sempre gostei, que é escrever.

É engraçado porque falo para caramba no twitter, aliás, são mais de 15 mil mensagens desde que comecei a escrever e, vejam só, até dinheiro já ganhei com uma, coisa que este pobre blog – por escolha própria – jamais conseguiu.

Calma, não vou deletar o blog e ficar só com o twitter, orkut e facebook, só estou compartilhando que, por não conseguir mais enxergar assuntos em coisas banais, não ter vontade de escrever ou desenvolver ideias a partir de um simples ‘oi’ numa fila ou de um ‘sorriso’ bobo na escada rolante.

Estou ficando cada vez mais chato. E, pior, aceitando isso.

Bonilha na Folha de São Paulo

Eis que no fim de mais uma jornada de trabalho, já saindo do trabalho, o amigo @mesaquadrada_mq (aka @Mau10) diz que minha fama de pé-frio chegou ao jornal Folha de São Paulo.

Como assim Bial?

Ele me manda esse link (só para assinantes) e me surpreendo com uma análise do colunista de opinião Marcos Augusto Gonçalves sobre a cobertura da Copa via TV, Twitter e Facebook, citando um tweet meu sobre um comentário do comentarista (redundância a gente vê por aqui) da Rádio Bandeirantes sobre a Espanha ser o Botafogo de castanholas, durante o jogo da seleção Espanhola contra os Suíços, no qual os amarelões favoritos sucumbiram aos precisos e educados (maioria do time fala mais de 5 idiomas) helvéticos.

Como a matéria online não pode ser vista por todos, lembrei que o restrito no site também sai na versão impressa, resolvi correr atrás do jornal e, após passar em uma banca e não encontrar o exemplar, corri em outra e encontrei o jornal.

Segue abaixo, o Bonilhão aqui finalmente reconhecido pelo seu talento de falar bobagem, num caderno de Esportes, em época de Copa, rachando a página com Malouda, Han Solo e a Princesa Leia. Sim, nem eu entendi, mas o que interessa é que saí na Folha!


Clique para ampliar, coluna da direita.

Será que agora sou relevante? =P

30 coisas para fazer antes dos 30

Vi isso num blog, salvei, mas esqueci de salvar o link do blog, como é um Meme, acho que não tem problema.

Faz tempo que não faço uma listinha idiota dessas, legal é que a ideia é riscar os que já fez e, de preferência, fazer um comentário.

Veja como ficou o meu:

1) Ficar absurdamente bêbado pelo menos 1 vez na vida.
Rá, fácil, acho que esse ano que ainda não fiquei…

2) Encontrar alguém da Net.
Fácil também, encontrei maior galera ontem, por exemplo. Só não encontrei ainda quem gostaria de encontrar.

3) Agarrar um amor platônico.
Sem comentários esse, pelo jeito ficará sem risco…

4) Se apaixonar à primeira vista
Acho que isso acontece todo dia…

5) Roubar a namorada de alguém.
Nem tenho interesse, tanta mulher solteira.

6) Roubar chocolate nas lojas Americanas.
Americanas, Pão de Açúcar, Barateiro, Jumbo, Peralta…

7) Ir para balada de ônibus.
Rá, sempre! Coloca metrô e trem aí também.

8- Subir num palco e dançar igual louco.
Yeah, Rock ‘n Roll!

9) Transar num lugar público.
Redação de jornal com câmera de segurança vale?

10) Fingir ser estrangeiro e falar um idioma que não existe.
Já fingi ser estrangeiro, mas falei portunhol.

11) Pintar o cabelo de uma cor absurda.
Nunca pintei meu cabelo, mas minha mãe cortou ele me deixando com a cara do Pica Pau.

12) Fazer uma Tatoo.
Nem tenho vontade.

13) Ter o melhor sexo da sua vida com uma idiota.
Nenhuma foi idiota, talvez o idiota tenha sido eu.

14) Ir a um show de rock e ficar gritando: ‘CANTA PAGODE’.
Ah, ideia de gerico. Mas já fiz o contrário.

15) Voltar da balada e dormir com a roupa que saiu.
Ahahahaha, a última bebedeira teve esse resultado, de tênis e tudo.

16) Se jogar na piscina de roupa.
Fácil! Já pulei e fui jogado nessas condições.

17) Fugir de casa para sempre e voltar no outro dia.
Hehehe, coisa de moleque. Já fiz também.

18) Ir numa boate gay.
Nem tenho vontade ou curiosidade.

19) Passar uma semana à base de sorvete e chocolate
Depois passei uma semana à base de soro e piriri.

20) Tomar banho de praia à noite.
Morei 15 anos na praia, se não tivesse ido à praia à noite seria um baita mané.

21) Ter um peixe e conversar com ele.
Ahahah, falo com eles todos os dias. Eles respondem e mandam beijos.

22) Encontrar um ídolo.
Veríssimo e Chico Anysio.

23) Sacanear um desconhecido.
Isso é sacanagem, mas é um prazer deliciosamente diabólico.

24) Chorar vendo um desenho.
Putz, isso acontece sempre.

25) Compor uma música.
Faço sempre também, na base do improviso.

26) Viajar sozinho.
Não é lá muito legal, mas você conhece melhor o lugar e se conhece também.

27) Chorar de tanto rir.
Também acontece com frequência. Sou bobo, fazer o quê.

28) Jogar uma bomba no vizinho.
Eu era praticamente um terrorista em épocas de festas juninas e fins de ano. Pior que minha mãe ajudava (e deve fazer isso até hoje).

29) Encontrar um amor.

30) dizer EU TE AMO!

Quem curtiu, pode colocar os seus nos comentários ou fazer um post e me falar que linko aqui.