Eleições 2012 – Passei longe da festa da democracia

E vamos chegando, tirando o pó, as teias de aranha e tudo mais que tem por aqui. Como tá muito sujo, já que era muito tempo sem entrar por aqui, vou puxar a cadeira, acostumar com o ambiente, assoprar o pó da máquina de escrever e rezar para a rinite não atacar.

Hoje foi a famosa “Festa da Democracia”, aquela que o cidadão tem a chance de fazer valer a tal de “Ficha Limpa” e tirar realmente quem não presta do lugar que não merece. Infelizmente, nêgo mal sabe para quê serve um vereador, imagine ter noção para votar, afinal, para muitos, “é só mais um dia perdido onde somos obrigados a votar em ladrões, etc, etc, whiskas sachê”.

Já pensou, lá nos confins do Maranhão, nêgo com dedo de outro para votar? LOL

Foda, mas não é sobre isso que vou falar.

Esse ano acabei falhando, pois não transferi meu título para SP, acho de extrema importância votar e, se possível, encher o saco desse povo que se acha deus quando está lá, sendo que, na real, eles que tinham que nos tratar como deuses. Mancada minha, mas é algo que vou corrigir assim que liberarem.

“Marcos, você bem que podia fazer seu exercício de cidadania e ir lá em Guarujá votar, afinal, sua família ainda vive la”.

Justamente, mas quando escrevi esse post em 2008 não pude deixar de notar que as coisas não mudaram muito. Até cheguei a pensar em ir só votar para tentar tirar a Professora de lá, mas tendo em vista que o cara que gostaria que assumisse esse lugar não está mais entre nós e que gastar R$100,00 só para votar numa cidade que quero que se exploda não seria lá uma ideia muito inteligente, resolvi ficar por aqui por SP mesmo. Ainda “sequestrei” meio que sem querer (querendo) três eleitores, para passar o domingo aqui com a gente. Só fomos lá justificar, rapidinho, e voltamos para casa para curtir um domingo agradável.

Para quem acha que fiz um desserviço à democracia, em 2008, sem brincadeira, devo ter arrumado, por baixo, uns 30 votos para a atual prefeita e, uns 15 ou mais, para um dos vereadores que, pelo que me contam, também foi uma puta decepção. Isso tudo só no caminho entre a casa da minha mãe e a escola onde voto (cerca de 3 km). Numa conta idiota, a cada km, arrumei 10 votos para ela, sem ganhar nada em troca, só para tirar um governo a la Maluf e confiando num projeto de mudança.

Enfim, hoje vejo que não mudou praticamente nada, pode não ter o governo a la Maluf, mas é algo que foi pouco, mas bem pouco, comparado ao que esperávamos. Se tinha um pouco de raiva e até queria fazer campanha contra para tirá-la, achei melhor simplesmente ficar em casa, não me comprometer com nada em relação a Guarujá (sério, o rival dela, com chances, é o cara que fiz questão de tirar de lá), logo, era a boa e velha discussão de “Quem é o menos pior: a que deixou a desejar ou o Maluf caiçara? Preferi ficar de fora disso.

Vendo as pesquisas e levantamentos finais, estou até torcendo para ela resolver logo, pois não quero ter que sair de casa para justificar de novo, já que não tenho a mínima vontade de descer a serra só para escolher um prefeito de uma cidade que não é mais minha.

Na verdade, estou aqui digitando lamentando de não ter entrado nas discussões Serra x Haddad x Russomanno, essa sim, uma eleição que pode mudar muita coisa, inclusive no cenário nacional.

Para encerrar, espero que os poucos leitores que sobraram, tenham escolhido o candidato que melhor lhes representa e, mais importante, o cobrem depois. Isso sim, uma coisa que tem que mudar logo nesse Brasil.

Agora vai, até passar!

São Paulo, 07 de julho de 2010.

Neste dia dei a largada daquilo que acho que já prometi várias vezes, mas não cumpri, que é finalmente me preparar, prestar e passar em algum concurso público.

Sinceramente, cansei de não ter estabilidade, ficar até tarde e não ter reconhecimento, depender da vontade alheia/política para ter aumento e, mesmo me matando, saber que não terei uma aposentadoria decente no futuro.

Confesso que o dia não foi lá muito produtivo, afinal, gastei a noite só para ler o edital. Estudar que é bom, necas. Mas, ao contrário das outras vezes, inclusive na época em que fiz um curso para tentar ser PF, acredito mais em mim e, espero, conseguirei superar a minha maior inimiga, que é a preguiça. Nem o cansaço e algumas outras distrações são piores do que ela.

Ainda preciso de algum norte que, aliás, se alguém com experiência nisso puder ajudar, já agradeço, mas o que interessa, que é começar, já comecei.

Como acredito que preciso de um prazo, me dei dois anos para já estar empregado em algum lugar e, para cumprir esse prazo, de terça à sexta, à noite, e sábado, quase o dia inteiro, deixarei de lado, com algumas exceções, a vida como a conheço atualmente. Com folga nos domingos (e alguns feriados) para descansar, que ninguém é de ferro.

Enfim, torçam por mim e, caso vejam eu fraquejar, me cobrem essa promessa.

Desculpas, Papo Animado, Projetos e mais desculpas

Sim, eu sei que estou devendo textos e um monte de coisas, mas ando numa correria só e, quando sobra tempo, faço o texto do Ato ou Efeito ou algum para o Bolão.

Aliás, já está no ar o novo Papo Animado, depois dêem um pulo lá e digam o que acham.

Voltando ao assunto, acabei de jogar fora um texto que fiz quando voltei do Litoral, dei uma editada, mas ficou uma bosta, principalmente porque era temporal e acabou esquecido em uma pasta qualquer por duas semanas.

Estou um relapso com o Lua, confesso.

Mesmo assim, espero que tenham paciência, tem um Meme na fita (será que isso ainda é moda?), uma resenha de filme e um texto em cima desse que falei que joguei fora. Sem contar um novo projeto – que vocês falarão que largarei de lado também – que sei que irá agradar muita gente.

Juro que vou colocar tudo em ordem e voltarei a postar com gosto.

Fui demitido, e agora?

Pois é pessoal.

Ontem estava com um post bem bacana na cabeça, sobre o fim de semana futebolístico, em que fui, finalmente, assistir a um jogo do poderoso Juventus na Rua Javari (infelizmente 0x0 contra o fraco Atlético Sorocaba) e depois fui jogar futebol com uma galera do Twitter.

Enfim, a idéia era essa, falar sobre o dia, torcedores do Juventus, o fato dos juventinos terem um time grande para simpatizar (no caso do Corinthians, pequeno mesmo, segundo os próprios) e não o contrário. Contar sobre os pernas de pau que compareceram a uma quadra alugada, com direito a churrasco, para desfilar sua brancura e barrigas nerds no society e meu ótimo desempenho como armador, com passes precisos e assistências milimétricas.

Mas não deu, ontem, logo cedo, fui chamado à sala de minha chefe e a dita cuja me comunicou que não faço mais partes dos planos da empresa, pois estão com contenção de custos, não dá para ficar com todo mundo, wiskas sachê e aquele blá-blá-blá todo.

Quando ela terminou, perguntou se estava tudo bem, se eu queria um copo d’água, se ia chorar (sério!) ou que fosse.

Os outros dois chefes, quando foram falar comigo, fizeram as mesmas perguntas (menos a das lágrimas) e eu disse que estava tudo ok, normal.

A questão da minha demissão não deve ser debatida aqui, mas o texto da Dani, uns dois posts abaixo, explica bem o que vem ocorrendo no local onde trabalhava.

O que não entendo é porque todo mundo acha que o fato de ser demitido é o fim do mundo.

Eu acho que era a pessoa mais normal e tranqüila do mundo ontem no escritório, mas, o excesso de preocupação – se eu estava bem, se iria me matar, quebrar tudo, etc. Isso realmente me incomodou.

Será que as pessoas acham que o simples fato de ser demitido é o fim do mundo?

Para mim, simplesmente é o recomeço, hora de mudar e se fortalecer. Pensar o que estava errado e trabalhar esse erro, enfim, nada que seja comparado a um pé na bunda sentimental (o que para mim também tem o mesmo efeito da demissão), perda de alguém querido, ou uma final de campeonato com gol contra aos 49 do segundo tempo.

As pessoas precisam repensar essa situação, senão, o mundo que já anda chato para cacete, vai ter mais um motivo para o povo continuar em estado de paranóia coletiva e mais estressados.

Aí, para alguém sair matando a torto e direito em escolas, jogar aviões em prédio, explodir hotéis e embaixadas, vai ser um pulo.

E tudo porque foi demitido, ora pois.

Agora, se souberem de alguém que precisa de um jornalista, me avisem. 🙂

Eleições 2008 – Nova esperança em Guarujá

Faz tempo que não escrevo algo que preste faça refletir por essas bandas.

Como o assunto do momento são as eleições (e a crise financeira) achei por bom tom dar minha opinião sobre o assunto.

Como sobre São Paulo, capitais do Brasil e cidades-centro de regiões metropolitanas já foi falado tudo que tinha direito, vou salientar sobre a minha última eleição na cidade em que passei 15 anos da minha vida.

Acho que já falei aqui como “amo” Guarujá, por conta de seus diversos problemas e do povo que lá vive (estou com preguiça de procurar os textos e inserir os links), como o atual prefeito se mostrou uma decepção completa (o turco tem mais de 100 processos nas costas, fora as suspeitas e acusações que o cercam) fiz questão de descer a serra e fazer valer meu dever cívico.

A grande questão era em quem votar, pois as outras opções não eram assim tão boas, com exceção de uma, mas que possuía um problema onde o simples fato de me fazer digitar 1-5 já me fazia pensar no assunto.

Como conhecia a pessoa e seu histórico, ignorei esse pequeno problema e mandei bala na urna eletrônica, torcendo para ela ir para o segundo turno e acabar com a dinastia turco-otomana na cidade.

Continue reading

Cadastrado no Blogblogs

Bem galera, se repararem ali na lateral, coloquei um widget do Blogblogs, além de me cadastrar no portal (ou site) que é um indexador de blogs, sendo o pioneiro e maior da internet em língua portuguesa.

Isso significa que, agora, o Lua ficará mais fácil de ser achado na web, além de poder ser linkado (odeio estrangeirismos), lido e indexado por outros indivíduos que estejam cadastrados no site (ou portal) ou que venham por buscadores.

É interessante.

Não sei se tem uma eficiência prática, mas já tinha muita gente me enchendo o saco para cadastrar o Lua lá, então vamos ver no que vai dar.

Perdi minha tarde nisso e aproveitei para reparar em outra coisa que me deixou bem chateado.

Não vou tomar nenhuma atitude ainda, vou checar mais a fundo, mas se o que vi em alguns lugares for regra, vou chutar o pau da barraca também.

Só para esclarecer implicitamente.

Ouvi dizer (confirmado por muitos) que o bem mais valioso na internet é o link, se isso é verdade, logo, sou um cara generoso e que distribui muitos bens, mas que não ganha muito com isso.

Se confirmado, acho que o Lua vai passar por novas mudanças, principalmente no blogroll.

Proseando mais um pouco

Confirmado!

A partir de segunda (vai ser, vai ser, vai ser…) meu novo endereço é no Largo Santa Cecília.

Vou viver em frente a uma igreja, com um ponto de ônibus e uma estação de metrô na porta de casa. Perto de bancos, algumas baladas, vida boêmia, entre outras coisas.

Não que eu não gostasse da Zona Leste. Gente ignorante tem em todo lugar. Mas pegar um ônibus, ficar uma hora nele, depois um metrô, ficar mais de uma hora andando devagar e parando sem ser em estações e, depois, outro metrô e ficar mais quinze minutos num vagão completamente abafado, além de todos completamente lotados. Não, ninguém merece.

Foi um parto conseguir ajustar as coisas para que tudo desse certo: chá de cadeira do dono da imobiliária que não havia assinado a papelada, fila no cartório para abrir e reconhecer firma, imprevisto porque o amigo não pagou a conta de luz em seu nome, sendo que você deu dinheiro, e ter que correr atrás de uma lan, imprimir segunda via e pagar num banco para levar para o zelador do prédio mostrar para a Eletroupaulo que está tudo certinho. Enfim, várias coisas.

Suamos, mas valeu a pena.

Agora estamos com um canto só nosso e com perspectivas muito boas para o futuro.

Valeu pelo apoio e aguardo a visita de quem puder vier para Sampa.

Desculpas não há mais.

Bom fim de semana, pois tenho que correr para ver tudo da mudança.