Eleições 2012 – Passei longe da festa da democracia

E vamos chegando, tirando o pó, as teias de aranha e tudo mais que tem por aqui. Como tá muito sujo, já que era muito tempo sem entrar por aqui, vou puxar a cadeira, acostumar com o ambiente, assoprar o pó da máquina de escrever e rezar para a rinite não atacar.

Hoje foi a famosa “Festa da Democracia”, aquela que o cidadão tem a chance de fazer valer a tal de “Ficha Limpa” e tirar realmente quem não presta do lugar que não merece. Infelizmente, nêgo mal sabe para quê serve um vereador, imagine ter noção para votar, afinal, para muitos, “é só mais um dia perdido onde somos obrigados a votar em ladrões, etc, etc, whiskas sachê”.

Já pensou, lá nos confins do Maranhão, nêgo com dedo de outro para votar? LOL

Foda, mas não é sobre isso que vou falar.

Esse ano acabei falhando, pois não transferi meu título para SP, acho de extrema importância votar e, se possível, encher o saco desse povo que se acha deus quando está lá, sendo que, na real, eles que tinham que nos tratar como deuses. Mancada minha, mas é algo que vou corrigir assim que liberarem.

“Marcos, você bem que podia fazer seu exercício de cidadania e ir lá em Guarujá votar, afinal, sua família ainda vive la”.

Justamente, mas quando escrevi esse post em 2008 não pude deixar de notar que as coisas não mudaram muito. Até cheguei a pensar em ir só votar para tentar tirar a Professora de lá, mas tendo em vista que o cara que gostaria que assumisse esse lugar não está mais entre nós e que gastar R$100,00 só para votar numa cidade que quero que se exploda não seria lá uma ideia muito inteligente, resolvi ficar por aqui por SP mesmo. Ainda “sequestrei” meio que sem querer (querendo) três eleitores, para passar o domingo aqui com a gente. Só fomos lá justificar, rapidinho, e voltamos para casa para curtir um domingo agradável.

Para quem acha que fiz um desserviço à democracia, em 2008, sem brincadeira, devo ter arrumado, por baixo, uns 30 votos para a atual prefeita e, uns 15 ou mais, para um dos vereadores que, pelo que me contam, também foi uma puta decepção. Isso tudo só no caminho entre a casa da minha mãe e a escola onde voto (cerca de 3 km). Numa conta idiota, a cada km, arrumei 10 votos para ela, sem ganhar nada em troca, só para tirar um governo a la Maluf e confiando num projeto de mudança.

Enfim, hoje vejo que não mudou praticamente nada, pode não ter o governo a la Maluf, mas é algo que foi pouco, mas bem pouco, comparado ao que esperávamos. Se tinha um pouco de raiva e até queria fazer campanha contra para tirá-la, achei melhor simplesmente ficar em casa, não me comprometer com nada em relação a Guarujá (sério, o rival dela, com chances, é o cara que fiz questão de tirar de lá), logo, era a boa e velha discussão de “Quem é o menos pior: a que deixou a desejar ou o Maluf caiçara? Preferi ficar de fora disso.

Vendo as pesquisas e levantamentos finais, estou até torcendo para ela resolver logo, pois não quero ter que sair de casa para justificar de novo, já que não tenho a mínima vontade de descer a serra só para escolher um prefeito de uma cidade que não é mais minha.

Na verdade, estou aqui digitando lamentando de não ter entrado nas discussões Serra x Haddad x Russomanno, essa sim, uma eleição que pode mudar muita coisa, inclusive no cenário nacional.

Para encerrar, espero que os poucos leitores que sobraram, tenham escolhido o candidato que melhor lhes representa e, mais importante, o cobrem depois. Isso sim, uma coisa que tem que mudar logo nesse Brasil.

Eleições 2010 e a Festa da Democracia

Ao contrário de, sei lá, 109% da população brasileira, desde pequeno sempre curti esse lance de eleições, talvez por conta de ver aquela galera brigando por “Diretas Já” e depois pelo Impeachment do Collor. Para empolgar um pouco mais, já na adolescência, ainda rolou o lance do plebiscito, com direito à simulação de votação na escola.

Bons tempos.

Também sempre tive uma leve queda ideológica pelo PT, por conta do meu pai ter participado da histórica greve da GM, em São José dos Campos, e ter trabalhado como motorista da CUT durante um bom tempo, quando era bem pirralho, afinal rolava de ir uns amigos dele lá e ouvir várias histórias que, para um pirralho de 5-6 anos, soavam como batalhas épicas e históricas.

Fiquei mais velho, me formei em jornalismo, tive uma relação próxima da política e, inclusive, trabalhei como assessor de imprensa do partido mais conhecido (e odiado) do mundo o DEM PC do B. Durante esse período, tive o desprazer de descobrir que a população tinha razão em odiar a classe política. Mas também tive o prazer de ver alguns bons trabalhos e bons políticos também. Pelo jeito é aquela velha história do antigo comercial de biscoito, a política é ruim porque brasileiro não se importa com as eleições, ou o brasileiro não se importa com as eleições porque a política é ruim?

Acredito que se as eleições fossem levadas mais a sério, com certeza as coisas melhorariam, e muito, no país, por isso sempre fiz questão de participar da tal “festa da democracia” exercendo meu direito de voto, para dar continuidade aquilo que acho que está bem, ou para trocar aquilo que acredito estar uma bosta. Por essas e outras, acabei não tendo uma ideologia definida, tanto que já votei no PT, PSDB, PV, PMDB, PRONA, PC do B, e por aí vai.

Esse ano, infelizmente, não irei exercer esse direito que deveria ser mais valorizado pelo povo brasileiro. Por motivos pessoais e por absoluta falta de tempo para mudar meu domicilio eleitoral, ficarei em SP e justificarei meu voto, o que me deixa chateado, já que mais importante que eleger presidente e governadores, é a eleição dos senadores e deputados, que este ano, mais uma vez, deverá ser uma extensão do celeiro de celebridades nível B que virou a política brasileira.

Espero que você, que está lendo esse blog, e que poderá votar neste domingo, exerça seu direito, escolha bem seus representantes, principalmente dos cargos legislativos, e guarde os nomes que escolheu para cobrar via telefone, carta, e-mail ou protesto, porque ferramentas não faltam nesse sentido.

Boa festa da democracia e, se puder, guarde um pedaço de bolo para mim.

Cadastrado no Blogblogs

Bem galera, se repararem ali na lateral, coloquei um widget do Blogblogs, além de me cadastrar no portal (ou site) que é um indexador de blogs, sendo o pioneiro e maior da internet em língua portuguesa.

Isso significa que, agora, o Lua ficará mais fácil de ser achado na web, além de poder ser linkado (odeio estrangeirismos), lido e indexado por outros indivíduos que estejam cadastrados no site (ou portal) ou que venham por buscadores.

É interessante.

Não sei se tem uma eficiência prática, mas já tinha muita gente me enchendo o saco para cadastrar o Lua lá, então vamos ver no que vai dar.

Perdi minha tarde nisso e aproveitei para reparar em outra coisa que me deixou bem chateado.

Não vou tomar nenhuma atitude ainda, vou checar mais a fundo, mas se o que vi em alguns lugares for regra, vou chutar o pau da barraca também.

Só para esclarecer implicitamente.

Ouvi dizer (confirmado por muitos) que o bem mais valioso na internet é o link, se isso é verdade, logo, sou um cara generoso e que distribui muitos bens, mas que não ganha muito com isso.

Se confirmado, acho que o Lua vai passar por novas mudanças, principalmente no blogroll.

Pane da Telefônica

Quer dizer que uma pane geral da Telefônica na Internet deixou mais da metade do Estado sem internet?

E ainda por cima não há previsão para o serviço voltar?

É, não sou de tirar sarro da desgraça dos outros, mas enfim:

Se foderam!

Isso é para aprenderem a não depender apenas de uma empresa que, todo mundo sabe, é uma bosta no trato de seus serviços extremamente caros e totalmente instáveis.

Agora, quem sabe, o governo, empresas e algumas pessoas não se tocam e não contratam um novo provedor de internet.

Só achei interessante observar o quanto as pessoas estão dependentes da internet, tamanho estrago e problemas que essa pane está causando.

Quando um assunto extrapola o limite da paciência

Estou lá, agoniado, acompanhando meu time do coração em partida decisiva e que vale a classificação para a próxima fase do torneio mais importante do continente.

Eis que a emissora monopolista, dona de todos os direitos de transmissão do futebol nacional, corta para um lugar cheio de gente vagabunda e que, num frio miserável, não tem mais o que fazer, além de aparecer e dizer que foi xingar os pais de uma garotinha, acusados de terem assassinado de forma cruel a própria filha, que não consegue descansar em paz.

Ali vejo que esse país nunca terá jeito. Terá seus rompantes de crescimento, estabilidade e melhorias, mas jamais será um país sério. Cerca de mil pessoas reunidas numa quarta-feira fria para protestar contra um assassinato. Como se isso fosse raro por aqui.

Dá nojo isso e, sinceramente, acho que essas pessoas têm os mesmos problemas que os pais da pobre Isabella, que só precisa descansar. Digno de pena, mas que me dá raiva.

Enfim, volta o jogo, que era o que realmente me interessava.

1 X 0 para meu time e, por conta desse caso ridículo, perdi o gol que abriu caminho para a classificação do São Paulo para as quartas-de-final da Libertadores.

Obrigado Globo, pelo respeito que você tem com seus telespectadores.

Skavurska!² – Fazendo as pazes ou como tratar bem um provável cliente – Parte II

Definitivamente não querem que eu faça parte da Festa dos NETs (Skavurska!). Depois de todo transtorno que passei ao tentar contratar essa empresinha de merda, eis que o telefone/celular toca e uma simpática voz pergunta porque cancelei a instalação do serviço.

Explico tudo, tintim por tintim, a moça pede desculpas, implora por perdão, diz que me fará um strip mais tarde e me convence a ter o serviço novamente. Definitivamente, eles sabem como persuadir um trouxa cliente.

Quando ela vai transferir a ligação para fazermos as pazes concluir tudo, peço para transferir para um vizinho, que ficou de ver tudo para mim.

Ela transfere e combino tudo com o cara. Ele confere novamente meus dados, que já estavam no cadastro e fica de mandar a equipe, pois ainda tinha o problema da tubulação.

Chega o dia seguinte, vejo uma ligação, que imagino ser da NET, e ligo de volta. Eis que o meu ‘amigo’ diz que houve um problema no cadastro e me sugere transferir para o nome de outra pessoa:

Ué, mas da outra vez não deu problema nenhum.

É, mas agora o sistema apontou restrições no seu cadastro.

E qual é o problema?

Não diz. Só diz que não há como concluir a instalação.

Então não dá mais para instalar?

Isso, mas você (reparem que não há mais a figura do senhor, tamanha a intimidade) pode colocar no nome de outra pessoa, para instalar o serviço na sua casa.

Não, deixa quieto. Desisto de vocês.

Você não tem outra pessoa para fazer isso para você? Mãe? Pai? Amigo?

-Não, não tenho. No início foi tudo normal, agora aparece essa. Chega! Não quero mais saber da NET.

Encerro a conversa, vejo o novo comercial da NET e, em seguida, ligo para a Telefônica. Após uma saraivada de perguntas e confirmações, combinam de instalar a linha em casa em até 7 dias, sem problemas inexplicáveis com cadastro. Dois dias depois, a linha está instalada. Agora é morrer com mais uma grana e puxar a linha para casa.

Daqui a pouco vou ligar para pedir o Speedy e a TV Digital. Se der merda novamente, juro que desisto disso de uma vez.

Ah, para quem deseja fazer parte da festa dos NETs (ou já faz), espero que o serviço seja bom mesmo, pois se para instalar o serviço foi toda essa novela, imagine para quem é cliente.

Skavurska para vocês!

Skavurska! Como tratar bem um provável cliente

Depois que virei um adulto responsável (rá), responsável pelas minhas contas (ráá), venho tentando conquistar algumas coisas que facilitem a vida de um ser humano moderno, como internet banda larga, TV a cabo e forno de microondas.

Até agora não conquistei nada disso, o PC, para variar, ainda não ressuscitou e o forno está atrás de várias prioridades.

Essa semana que passou, tentei a TV a cabo, mas assim como tudo que venho comprando (computador, cama, TV, DVD, geladeira, etc), deu zica.

Sempre quando vou comprar alguma coisa, tento fazer uma pesquisa, levantamento sobre a qualidade do serviço, custo benefício, essas coisas. Depois de ver que a net (minúscula mesmo) era, teoricamente, a melhor, liguei no último dia 17 para solicitar a instalação no ap.

Tudo indicava para uma boa escolha, atendimento exemplar, consulta se havia sido bem atendido, conferência de dados, etc. É, quando a gente está comprando o serviço, sempre é tratado como sultão.

Na quarta-feira, dia 19, estavam lá os técnicos para fazer o cabeamento, no horário combinado.

Pensei, “caceta, vou me livrar do BBB e das novelas da Globo, além de ter mais de dois canais disponíveis para assistir”.

Bem, depois de algumas horas tentando passar o fio pela tubulação, vem o veredicto de que a porra está entupida e que não teria como ligar naquele dia. Confesso que fiquei muito frustrado.

Mais uma vez, a empresa se mostrou bem solícita, ligou perguntando do problema, se os técnicos haviam tentado mesmo, etc. Logo, a atendente avisou que passaria para uma firma terceirizada especializada em solucionar esse tipo de problema e que, além de desentupir os tubos, faria a instalação. Quando ouvi a palavra ‘terceirizada’, já fiquei com um pé atrás, mas resolvi confiar.

Passados 15 minutos, a empresa liga.

Se propuseram a ligar no sábado, dia 22, mas como era feriado prolongado e estaria no Guarujá, perguntei se não havia outra data. Disseram que eu tinha a semana seguinte inteirinha para escolher uma data. Como estava ansioso, escolhi a segunda-feira, dia 24.

Após o feriado, mesmo com algumas coisas para resolver no trabalho, saí correndo e fui para casa. Entre 18 e 21 horas, alguém apareceria em casa para instalar a dita cuja da TV a cabo.

Ninguém apareceu.

Na terça-feira, liguei para a net, para sua central de “relacionamento” (só se for para se relacionar naquele sentido de foder o cliente) e após horas de tentativas e transferências de chamadas para lá e para cá, desisti de falar com alguém.

Na quarta-feira, tentei novamente, mesmo martírio. Depois de tentativas fracassadas na hora do almoço, consegui falar com alguém no fim da tarde.

Confesso que já estava de saco cheio e que não agüentava mais explicar o ocorrido. Depois de perder a compostura e ser um pouco mais ignorante, a ‘simpática’ atendente me atendeu.

Chutei o balde e falei que se não resolvesse o problema no dia seguinte nem precisaria instalar mais merda nenhuma.

Ela explicou que só havia dois horários e apenas um serviria para mim (das 16 às 19 horas), já que era quando estaria em casa.

Concordei. Quando tudo caminhava para um desfecho feliz, a ‘agradável’ moça avisou que, se não tivesse ninguém em casa, o pessoal iria embora e eu teria que marcar tudo de novo. Como ela enfatizou que, nessa faixa de horário, eles sempre apareciam entre às 16 e 17 horas, perguntei quando teria um horário mais adequado para minha pessoa, isso quase explodindo.

Ela disse que só sábado, quando não estaria em casa.

Cancela essa merda, então. Não precisa instalar mais nada. Se já está assim, enquanto ainda não é cliente, imagine quando eu for.

Confesso que disse isso meio que esperando ela passar para um setor que me convencesse a ser cliente “Skavurska”, mandando os instaladores no dia seguinte, mais um pacote extra HBO Plus e 50% de desconto pelo transtorno, mais um chaveiro.

Pois não, senhor. Quer anotar o número do protocolo de cancelamento?

Como é? Diga aí, pois se debitarem da minha conta, coloco essa porcaria de empresa no pau e chamo o Procon.

Se não houve instalação, não haverá cobrança. Mais alguma coisa?

Mais nada.

Boa noite.

A dita cuja nem soltou o famoso “Obrigado por ligar, a net lhe deseja uma boa noite”. Foi seca, direta e desligou.

Fiquei puto, se a empresa está por cima da carne seca e está nadando em dinheiro, podendo desprezar e tratar mal os prováveis clientes, dirá o que acontece com os clientes de fato.

Voltei à estaca zero e, com essa, já descarto a sky, pois é a mesma empresa, que por sinal, são da Globo. Só sobrou a Telefônica, que também não é flor que se cheire.

Pelo jeito vou ficar vendo imagens duplas, distorcidas e com apenas dois canais durante um bom tempo.

Skavurska!

Texto de Protesto

Passei o dia inteiro matutando sobre um texto para meter o pau em algumas minorias que, depois de tanto defender, cheguei à conclusão que não merecem defesa e, sim, são um mal para humanidade.

A minha manhã hoje no Metrô foi daquelas onde eu desejei ter um “Dia de Conan” para dar cabo desses infelizes.

Depois de muito pensar, farei apenas esse textinho de protesto, porque do jeito que a internet é, vai chover amigos e fundamentalistas dessas raças para encher o meu saco. Fato que meus leitores, inteligentes que são, não merecem sofrer.

Não se preocupem, não tem nada a ver com racismo, homofobia, ou coisa do tipo, são tipos específicos que, infelizmente, numa manhã nada agradável, deram de frente com minha pessoa.

Se acontecer de novo, mando paulada.