Desanimado com o Jornalismo

Ah, o desânimo…

Como notaram por aqui, faz tempo que não escrevo algo a la bate-papo. Aliás, até no twitter, onde falava para caramba, dei uma diminuída nas bobagens que escrevo.

Ironicamente, achei essa imagem no R7 e é justamente do tipo de jornalista que queria ser, de guerra.

Quem me conhece, sabe o quanto gosto de escrever e falar bobagem, mas o ato de escrever tem sido uma espécie de martírio, já que me lembra que não seguirei com o sonho de ser jornalista, coisa para a qual estudei e me preparei nos últimos 12 anos.

E nem é por conta de ter fracassado na profissão ou ser ruim demais, é o desapontamento com o jornalismo mesmo, que vai dos rumos que a profissão tomou, em todos os níveis, passando pela remuneração e o pouco tempo que acaba sendo reservado à família, caso queira ganhar razoavelmente… razoável.

Não, não escreverei mais sobre isso agora, estou adiando o derradeiro texto, pois no fundo sei que quando escrever, estarei rompendo de vez com isso. Pode falar o que for, mas ainda me considero um Jornalista. É o que está escrito naquele diploma que levei quatro anos para conquistar e que foi orgulho de minha mãe, família e amigos.

Só sei que está chegando a hora de, finalmente, romper com a profissão e me considerar outra coisa, seja lá o que for.

Infelizmente, por mais que esteja gostando do que ando fazendo, isso me dá um desânimo…

O dia em que quase fiquei milionário

O título também poderia ser “O dia em que ganhei na Mega Sena da Virada”, mas a experiência foi tão bizarra, que achei melhor usar esse.

O título já entrega o conteúdo do texto, afinal, sem sombra de dúvidas, foi o mais perto que cheguei de, finalmente, ganhar na loteria. No maior prêmio do país. E acumulado.

Apesar de ter o hábito de só jogar em concursos acumulados, geralmente da Mega Sena, sempre acabo fazendo outros de outras loterias que chego a levar quase um mês para conferir, principalmente quando vejo que o prêmio principal sequer saiu para a cidade em que vivo. Mesmo da Mega Sena, demoro para conferir o jogo. Na Virada não seria diferente.

Mas aí aconteceu um fato curioso.

Quando mudei de canal, logo que terminou não lembro bem o quê no sábado, ia começar o sorteio na Globo. Meu irmão, que estava por aqui para passar o ano novo (assunto para outro post, se não bater a preguiça) correu e pegou seu jogo único para conferir. Para variar, sei lá se por superstição, nem me preocupei em pegar os meus.

Ao começar o sorteio, não cheguei a prestar atenção nos números, até que o amigo que estava aqui, o Carlos, achou engraçado sair o número 03 por último, sendo que já havia saído o 55 (linhas de ônibus de Guarujá, que por algum motivo idiota, sempre jogo). Quando ele falou que também saiu o 04. Corri para pegar meus jogos e conferir, afinal, lembrava que tinha jogado os tais números. Mais unzinho que saísse e era lucro certo.

Nisso, o Bariceli já tinha saído e o JN já estava no ar. Entrei no twitter e fui procurar os números. Achei, conferi e vi que acertei 4.

“Porra, já deve dar uns 1000 e pouco, já que o prêmio é mais alto!”, comemorei.

Ainda fiquei puto, porque achei que tinha acertado a quina, pois tinha um 39 no meu jogo, sendo que saiu um 36, mas tinha visto a bolinha de ponta-cabeça.

Lembrei que tinha outro jogo e fui conferir:

Meu jogo: 03-04-28-37-46-55
O que saiu:03-04-293645-55

Reparem amigos, que nesse jogo não ganhei merda nenhuma, mesmo acertando três dezenas, mas o TRÊS números que errei são VIZINHOS dos que saíram. Não foi algo que passou longe ou um ou outro que deu a incrível coincidência, mas os TRÊS!


“O Bonilha se fudeu, heim amigos”

Obviamente que fiquei puto e não acredito até agora de ter passado tão perto de ganhar o sonhado prêmio de 170 milhões. A família me consolou e disse que, “pelo menos”, levei R$536,83 (junto com outros 85.581 filhosdaputa que meio que lamentam passar perto). Se o 39 que joguei tivesse saído, ou fosse 36 mesmo, seriam R$33.711,30, o que, aí sim, faria a alegria deste pobre escriba.

Enfim, nem retirei os 536 reais ainda, mas já tem destino certo: aplacar um pouco a ira do Santander tampando um pouco o rombo que tem lá. O que nem isso deve resolver direito.

Mas enfim, sei lá se terei outra chances dessas ou se passarei perto, mas uma coisa é certa: só não ganha mesmo, quem não joga.

E eu, pelo menos nos acumulados, continuarei tentando.

Update

Fui lá receber meu prêmio “milionário” e a moça da Lotérica disse que não poderia receber, apenas na Caixa, pois no meu jogo não acertei uma quadra, mas TRÊS quadras por conta da combinação do jogo de sete números!

É, que 2012 continue nesse embalo.

Amigos, amigos, confissões à parte

E aí que são altas horas da madrugada, não tem cerveja para beber, dei um pau no sobrinho no Wii e, por enquanto, ao contrário dele, não estou com sono. Deu vontade de blogar um pouco. Como escrevi antes, isso vem sido algo raro, então é bom aproveitar quando dá vontade. E, como há algo que vem corroendo por dentro, então é melhor colocar para fora.

Essa semana me chateei muito com um fato que não vem ao caso e que já está, digamos, se superando. Por conta do que houve, cheguei até a fazer algo que nunca imaginei que faria, o qual sou totalmente contra, que é proteger os tweets contra terceiros, o popular ‘trancar o twitter’. De tabela, bloqueei uma pessoa querida, a qual nunca imaginei no universo que bloquearia. Ou seja, para meus padrões de tolerância, foi bem grave.

Enfim, como já disse, estou superando, mas há um porém que, infelizmente, acontecerá e que é bem chato de minha parte. Perderei um pouco da minha espontaneidade com a pessoa, já que não falarei tudo que falava com ela, bem como me policiar quanto aos assuntos que tocar. Nada que seja grave, já que acho que ela era última pessoa com a qual tinha 100% de assuntos a falar. Nem com os melhores amigos e parentes do peito tenho tal espontaneidade, já que um ou outro sempre deu alguma mancada do tipo.

Exemplo. É normal comentarmos de amores que dão errado com algum(ns) amigo(s), mas naquela de rir um do outro e com uma tirada de sarro aqui ou acolá. Mas a partir do momento com ele começa a te sacanear contando para tudo quanto é lado, inclusive para estranhos e até para alguma potencial pretendente, então é melhor dar um toque nele, se insiste na tiração, para de contar o que rola na sua vida amorosa. Como sempre fui sarrista, acabei por sempre ter que parar de contar minhas desventuras amorosas, já que o pessoal achava que era algo que era bom de contar, por exemplo, no microfone antes de um seminário de faculdade ou naquele videokê cheio de gente.

Outro exemplo é quando alguém conta algo sobre a vida alheia (a popular fofoca, comum entre mulheres) e, após o pedido de sigilo, descobrir que a empresa inteira, mais a pessoa alvo da maldade, sabe no dia seguinte. Esse não passei, mas ao notar que alguns amigos gostavam de contar sobre a vida alheia, restringi as informações sobre a minha.

Deve ser comum isso, mas é chato você não poder tocar em tais assuntos porque você pode se prejudicar ou se estressar no futuro porque tal pessoa não sabe lidar direito com aquilo que foi confessada à ela. Pesquisando na memória acho que só um primo que posso falar tudo de qualquer assunto, mas ainda assim, acredito que apenas 98% de tudo.

Enfim, abri meu twitter novamente e, assim que a raiva – que ainda não passou – da pessoa passar, a desbloqueio também.

Infelizmente, provavelmente nosso relacionamento não será mais como antes.

É uma pena. Pelo jeito, se eu quiser desabafar, contar minhas trapalhadas, foras, flertes, projetos e o que for mais, terei que ter um amigo para cada assunto, já que dependendo do que for, poderei ter sérios problemas. O que é chato para cacete.

Frustração e festa adiada

Tinha tudo para ser histórico. Clima de festa, ambiente favorável, daqueles dias que você iria lembrar para sempre e que iria contar para filhos, netos, bisnetos e, depois de uma pausa, dizer olhando nos olhos deles:

– Aquele dia foi foda!

Mas, como diria Garrincha, esqueceram de combinar com os russos, no caso, o time do Fluminense.

Ou melhor, esqueceram de jogar futebol.


Uma imagem vale mais que mil palavras

Do que adiantou a epopéia para comprar os ingressos? Ou a longa caminhada para chegar até o Cícero Pompeu de Toledo?

Só não foi pior porque não perderam, mas a expressão de quase 70 mil pessoas com cara de bunda não condiz com a festa que fizemos na arquibancada.

Infelizmente não será dessa vez que verei um título ao vivo e a cores de meu time de coração, mas, a partir de agora (ou melhor, de domingo), serei uma pessoa mais presente nos estádios e tentarei dar meu apoio sempre que puder. Do mesmo jeito que cobrarei.


Só restou ir embora com cara de bunda

Torço para domingo, contra o Goiás, com o ingresso mais caro de todos os tempos, tudo dar certo e o caneco vir pela sexta vez, mas confesso que estou com o pé atrás…

Acho que dá, mas, por favor São Paulo, tenta ser campeão com a sua torcida presente.

Lua Caxumbado ou Os efeitos de uma doença infantil em um cara adulto

Desde que resolvi mudar o Lua para sua atual configuração, que não ficava tanto tempo sem postar.

A culpa, para quem ainda não sabe, é do vírus da família Paramyxoviridae, gênero Rubulavírus, também conhecido como vírus da Caxumba.

Não fiquei assim, mas é só para se ter uma idéia

Pois é, peguei uma doença de criança de 6 anos, aos 26, do meu irmão (que tem 23) e fui condenado a 5 dias de prisão domiciliar.

Como resultado, fui obrigado a abandonar um projeto importante, a coluna do AoE não foi para o ar, e fui proibido de fazer qualquer coisa que remetesse ao mínimo esforço.

Sem contar as piadinhas sem graça e os pedidos de foto do meu rosto inchado que tenho que aturar.

Minha mãe veio em meu socorro, mas como contrapartida, sou obrigado a agüentar Bruno e Marrone, Alcione, Zeca Pagodinho e outras coisas que amo, demais, de paixão.

Talvez por isso não tenha melhorado tanto assim.

Nos últimos dias a febre apertou, dores de cabeça apareceram e um suadouro FDP atacou. Acredito que seja uma reação do modafóca para deixá-lo em paz.

Ou não.

Normalmente, quando fico talhado de fazer várias coisas, costumo desobedecer qualquer tipo de ordem, mas, como essa doença tem uma conseqüência meio grave quando você não segue as orientações médicas de repouso absoluto, é melhor eu continuar quietinho no meu canto e agüentar mais alguns dias nessa inércia total.

Mas não me abandonem, ainda estou por aqui.

Sem PC, Note, Internet e tudo mais

Pessoal, talvez o Lua fique meio abandonado nos próximos dias.

Meu computador caseiro deu pau e não faço idéia de quando vá arrumá-lo.

Como aqui no trabalho o bicho está pegando, não vai ter jeito de atualizá-lo daqui como fazia antes.

Para o pessoal do Bolão, mandem os palpites para o Franklin.

Espero resolver isso o mais rápido possível.

Comparando Gol e TAM

Recife

Pois é galera, depois de quase vir no ano passado, este ano não teve escapatória e cá estou na Praia da Boa Viagem, em Recife.

E pensar que, em 2007, dava um braço para essa viagem, mesmo a trabalho.

Agora, que estou aqui, dava um braço, uma perna e um baço para voltar no tempo e ir para BH.

Realmente, nunca estamos satisfeitos com nada na vida, mas é assim que funciona.

Desta vez, não me atrasei e cheguei na hora no aeroporto, o vôo foi tranqüilo e nenhum Learjet passou perto do Gol vôo 1798. Só uns aprendizes de demônio ficaram chutando a poltrona e não me deixaram dormir, além de descobrir que a Gol é uma empresa aérea terrível.

Quando fui para o RJ, de TAM, mesmo em uma viagem curta na ponte aérea, serviram pizza, bebida e ainda passaram um filme com a mensagem do presidente da empresa.

Nada de outro mundo.

Mas, na Gol, em uma viagem de três horas, só deram as fatídicas barrinhas de cereal, bebida e não passaram nada, absolutamente nada, para distrair durante a viagem.

Três horas sem nada para ver e não conseguindo dormir porque umas pestes não deixam, é dose.

E não querendo ser preconceituoso, mas já sendo, a viagem também mostrou como pobre é uma merda em qualquer lugar.

Povo barulhento, falando alto, interditando o banheiro, desobedecendo qualquer ordem de alerta, aviso ou orientação dos comissários e comandante de bordo, enfim, praticamente um Itapemirim ou São Geraldo, mas de asas.

Resumindo, já estou aqui e está tudo bem, a zica ficou por conta de um chuveiro vazando às duas horas da manhã, em casa, com alguém pelado tentando arrumar, levando choque com ele desligado e tomando uma ducha fria acidental.

Não vou entrar em detalhes, só digo que fui dormir perto das três da manhã e que o chuveiro está funcionando, pelo menos espero que esteja quando voltar.

Cadastrado no Blogblogs

Bem galera, se repararem ali na lateral, coloquei um widget do Blogblogs, além de me cadastrar no portal (ou site) que é um indexador de blogs, sendo o pioneiro e maior da internet em língua portuguesa.

Isso significa que, agora, o Lua ficará mais fácil de ser achado na web, além de poder ser linkado (odeio estrangeirismos), lido e indexado por outros indivíduos que estejam cadastrados no site (ou portal) ou que venham por buscadores.

É interessante.

Não sei se tem uma eficiência prática, mas já tinha muita gente me enchendo o saco para cadastrar o Lua lá, então vamos ver no que vai dar.

Perdi minha tarde nisso e aproveitei para reparar em outra coisa que me deixou bem chateado.

Não vou tomar nenhuma atitude ainda, vou checar mais a fundo, mas se o que vi em alguns lugares for regra, vou chutar o pau da barraca também.

Só para esclarecer implicitamente.

Ouvi dizer (confirmado por muitos) que o bem mais valioso na internet é o link, se isso é verdade, logo, sou um cara generoso e que distribui muitos bens, mas que não ganha muito com isso.

Se confirmado, acho que o Lua vai passar por novas mudanças, principalmente no blogroll.

Problemas Técnicos

Atenção cambada, o Lua anda passando por problemas técnicos e, vira e mexe, está caindo e ficando fora do ar.

Não sei se ainda se é reflexo dos problemas da Telefônica, se o servidor da Dreamhost pegou fogo novamente ou se é algum fato que foge da compreensão humana, só sei que isso anda me irritando muito.

Para os participantes do bolão, caso esteja fora do ar, enviem e-mail para mvbmoon@yahoo.com.br ou duartefranklin@hotmail.com.

Aos leitores, espero que tenham paciência, pois logo deve estar tudo normalizado (espero).

Sport Campeão da Copa do Brasil!

Depois da decepção na Libertadores, finalmente uma alegria.

SPORT CAMPEÃO da COPA do BRASIL!

Nem preciso dizer em cima de quem, né!!!

Bom para a imprensa bairrista de SP aprender que título não se ganha de véspera.

Dois tarimbaços de Carlinhos Bala e Luciano Henrique definiram o título que o pessoal da marginal já dava como certo. Sem contar o frango do goleiro que eles acham que é tudo nessa vida.

Enfim, o Sport mostrou porque mandou Vasco, Internacional e Palmeiras para casa. Se times de primeira rodaram, por que um de segunda não iria?

Parabéns Sport! Parabéns Nordeste e Parabéns Rafa, Diego e Paulo!

 

Vocês merecem!